o doce veneno do amianto

doceamianto

doce amianto (brasil, 2013) ★★★☆☆

com uma extensa epígrafe de walt whitman, doce amianto, mais nova obra do coletivo alumbramento, chega chegando. a partir dali, fábulas urbanas se misturam a delírios surrealistas para criar uma experiência cinematográfica sensível e debochada.

o filme narra as desventuras de amianto, personagem frágil cuja persistência no amor a leva a seguidas decepções. depois de ser rispidamente abandonada pelo namorado, encontra conforto na companhia de uma entidade já falecida, blanche. é com o apoio da amiga morta que amianto se joga em pequenas jornadas sempre em busca do sonho do enlace.

tal procura é exaustiva. amianto deixa-se constantemente em segundo plano em nome do almejado sentimento maior – e, mesmo que se questione em suas conversas com blanche se todo o esforço vale a pena, acaba se entregando, de toda forma, quando surge a oportunidade. numa das cenas mais interessantes, a da caixa de presentes, temos a constatação de que a protagonista é também sua maior inimiga.

com montagem criativa e fotografia de cores fortes e, muitas vezes, estouradas, doce amianto não se apressa em encontrar seu próprio ritmo – e até se dá ao luxo de abrir parênteses para expor uma crônica completamente alheia à trama principal. numa atmosfera fantástica, que passeia entre buñuel e lynch, o longa apresenta inúmeros dilemas, de ideologia, de comportamento, de gênero, de realidade como a conhecemos, e nos convida a rever os conceitos de vítima e delicadeza. fraco é quem não se entrega.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s